07
mar

A ESTILISTA POR TRÁS DOS VESTIDOS PINTADOS POR KLIMT

Seja lá qual for o seu envolvimento com a arte, é muito provável que alguma pintura de Gustav Klimt tenha passado pelos seus olhos. E o que causa espante é o esplendor das vestes quase psicodélicas exploradas em suas pinceladas. Mas o que nem todo mundo sabe é quem estava por trás disso. Emilie Flöge é o nome da moça, quase esquecido nas sombras do tempo.

Emilie começou a trabalhar como uma costureira na virada do século XX, em Viena, na escola de costura da irmã mais velha. Juntas, elas ganharam um concurso de costura em 1899 e foram contratadas para desenhar uma peça para uma prestigiada exposição. A partir desse movimento elas conseguiram se estabelecer como empresárias de sucesso, abrindo um salão de alta-costura que chamaram de Schwestern Flöge (Irmãs Floge), situado em uma das principais vias vienenses.

floge1

O seu salão passou a se tornar um dos principais endereços de moda para a sociedade vienense, seus contemporâneos em Paris eram Coco Chanel e Christian Dior e ela os acompanhou de perto. Fora do negócio que pagava suas contas, Emilie tinha um gosto mais rebelde do que a sociedade convencional conseguiria entender naquela época. Porém,  certo pintor boêmio chamado Gustav Klimt entendeu tudo.

Eles se conheceram quando ela tinha apenas 18 anos de idade. Sua irmã mais nova, Helenhavia sido casada com o irmão de Gustav, Ernst Klimt, mas morreu apenas um ano após o casamento. Gustav foi uma espécie de guardião de Helene na ausência de seu irmão, e tornou-se um convidado freqüente na casa de verão da família de Emilie no lago Attersee.

klimtemilie4

Klimt e Emilie

Eles ficaram íntimos instantaneamente. Alguns insinuam que eles eram amantes e que o casal retratado por Klimt  em “O beijo” é na verdade, um auto-retrato dele e de Emilie. Amantes ou amigos, ela tornou-se uma companheira de vida e carreira do pintor. Ela se misturou em seus círculos de amigos a sociedade boêmia e alta roda da mesma forma, enquanto ele a enviava clientes prósperos de ambos os lados.

Como Klimt, com seu estilo provocador e arte erótica, Emilie Flöge tinha a chama para a criação de algo revolucionário. Seus vestidos deveriam ser usados sem espartilho e pendiam dos ombros com mangas largas, muito confortáveis e bem diferente do que se encontrava na época.

floge13

O design de Emilie foi influenciado pelo início do movimento feminista, que propôs um estilo mais prático e confortável, mas também inspirado pela boemia de Klimt. Klimt também projetou ao lado dela, para ela, e vice-versa.

flogepainting

Porém, os vestidos não vendiam. Eles eram muito revolucionários, muito à frente de seu tempo. Enquanto seus vestidos convencionais continuaram fazendo algum sucesso em seu salão em Viena, Klimt pintava para o alto escalão sociedade vienense personagens vestidos pela avant garde de Emilie. Em 2006, o quadro “Mulher de Ouro” de Klimt, Adele Bloch-Bauer I (1907), foi vendido por um recorde de US $ 135 milhões em Nova York.

Mesmo com o apoio de um renomado pintor como Klimt, Emilie não viveria para ver o reconhecimento de seus projetos únicos e originais. Hoje é reconhecida por seu talento extremo e é inspiração para estilistas dessa geração.

flogevalentino2

flogeval2

flogeval

valentinofloge1

 

 

 

comente
Compartilhe este post


Seja o primeiro a comentar!!!

Faça um comentário

Moderno

 

Old School

Rua Dr. Florêncio Ygartua, 188 - Térreo
Moinhos de Vento - CEP 90430-010
Porto Alegre / RS
Brasil

(51) 3072 6875

(51) 3028 8266

©Mauren Motta por Aldeia